Centro de referência no tratamento do autismo

Tamanho do texto Larger Font Smaller Font

b_150_100_16777215_0___images_stories_destaque_1.jpg

O PRIMEIRO PASSO FOI DADO: O CENTRO DE TRATAMENTO COMEÇOU A FUNCIONAR EM ABRIL DE 2011!

De acordo com o órgão norte-americano Centers for Disease Control and Prevention (CDC, www.cdc.gov), o autismo afeta de 2 até 6 pessoas em cada 1000, isto é, poderia afetar até 1 em cada 166 habitantes. Aplicando essas informações estatísticas, estima-se que existem cerca de 200 a 300 crianças na faixa de 0 a 10 anos com autismo em Maceió.

Atualmente, 20 crianças, com idades entre 02 e 10 anos, estão recebendo atendimento em tempo parcial (01 turno completo com 04 horas) na sede situada à Rua Jader Isidro, 158 - Stella Mares. Posteriormente, a intenção é ampliar este atendimento para 20 horas por semana para todas as 20 crianças, com a ajuda de convênios com organizações públicas e/ou privadas. Posteriormente a intenção é que algumas crianças tenho atendimento integral, nos dois turnos, com o funcionamento de uma escola no contraturno.

Futuramente, a intenção é multiplicar os saberes, com a ajuda do Estado, através do treinamento adequado a profissionais que poderão trabalhar em unidades localizadas em outros bairros da cidade, para atender a população em locais mais próximos de suas casas, evitando assim desgastantes deslocamentos da criança e dos seus pais.

A infra-estrutura humana do Centro de Tratamento da AMA-AL é composta de psicólogo, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogos, pedagogo, professor de educação física, professor de música e estagiários.

A infra-estrutura física compreende uma casa ampla, com 06 quartos, 02 salas, além de cozinha e banheiros, e com área externa livre que abriga uma cama elástica e futuramente abrigará parquinho/campinho e piscina (para atividades físicas).

Todo o mobiliário foi resultado de doações de parentes, amigos e dos próprios pais da AMA-AL que se mobilizaram em prol da causa. Também foram usados os recursos obtidos nas rifas e saldo de eventos promovidos.

A melhor notícia é que, em seis meses de funcionamento, é possível notar a evolução das crianças.